Início Influenciadores Pós-Graduação em Digital Influencer só na China ou no Brasil

Pós-Graduação em Digital Influencer só na China ou no Brasil

95
0
COMPARTILHAR

Em Portugal, os números não são tão exorbitantes. O nosso mercado é mais pequeno e as receitas por visualização não são tão altas, mas a rede social não deixa de ser um palco cobiçado para muitos que querem partilhar a sua visão com o mundo. SirKazzio, Fer0m0nas, D4rkFrame e Wuant são os “big bosses” – já passaram a marca de um milhão de seguidores e receberam uma placa prateada do Youtube.

Moda, gaming, música, mobília da casa e new kids in town

Taynara Gomes, conhecida como Taynara OG, tem mais de 2 milhões de seguidores no Instagram, e ganhou destaque em 2016 após usar, com humor, a rede social Snapchat
(Foto: reprodução/Instagram)

Produzir conteúdo, influenciar costumes através dos seus, e, sobretudo, divulgar produtos e serviços são algumas das atribuições de um Digital Influencer. Eles são os queridinhos da vez quando o assunto é marketing digital. Através do alcance que possuem na Internet, os influenciadores digitais têm sido cada vez mais requisitados para divulgar marcas. O Centro Universitário Brasileiro (Unibra), no Recife, iniciará em 2018 a primeira turma de graduação em Influenciador Digital do País.

Segundo Renata Maia, reitora da Unibra, o Brasil será o segundo país a oferecer o curso, ficando atrás apenas da China, onde a formação é mais voltada para moda. Por aqui, a graduação de curta duração (dois anos) pretende formar os profissionais numa linha multidisciplinar, englobando conhecimentos de Jornalismo, Moda, Marketing, Comunicação Digital e Direito.
Segundo o site da instituição, esse futuro profissional poderá desempenhar funções como planejamento estratégico de marketing, comunicação digital, gestão de mídias sociais, técnica de vídeo e escrita. O novo curso oferecerá disciplinas como Economia, Youtubers, Maquiagem e Modelagem Visual, Inglês, Edição de Vídeos, dentre outras.
Renata afirma que a Unibra teve a iniciativa após observar o crescimento da demanda nesse segmento. Depois de concluir os quatro períodos letivos, os discentes receberão o título de Tecnólogo(a) em Influenciador Digital.
Para a Digital Influencer e Publicitária Cris Moreira, a ideia de “profissionalizar a função só vem a agregar”, uma vez que pode municiar esse profissional com conhecimentos, por exemplo, em marketing e pensamento estratégico. Cris tem mais de 54 mil seguidores no Instagram e conta que trabalha como influenciadora digital há seis anos.
Soraya Madeira, professora do curso de Publicidade e Propaganda da Universidade Federal do Ceará (UFC), avalia que é arriscado criar uma formação superior em uma carreira tão recente, que o mercado e as pessoas ainda não sabem muito bem como lidar. “Além de ser (uma profissão) muita nova pra trabalhar numa graduação, ainda está num momento de experimentação de vivência dessas figuras”, reflete Soraya.
A professora considera positivo preparar melhor esse profissional que produz conteúdo, “uma moeda valiosa na publicidade”, e que fazem uma boa ligação entre marca e consumidor. Contudo, ela defende que

“uma graduação precisa abordar muitas questões éticas e jurídicas, uma vez que os digitais influencers têm responsabilidade perante seus públicos.”

“(O curso) tem que dar base para refletir sobre aquilo que se vai produzir. Trabalhar influência não é só fazer um vídeo, uma maquiagem ou uma foto. Tem critérios mais profundos”, conclui Soraya.
A curta graduação em Digital Influencer ainda não é aprovada pelo Ministério da Educação (Mec). Segundo a reitora da Unibra, o processo está em tramitação. Em maio deste ano, a instituição recebeu credenciamento do Mec, válido por cinco anos, que dará mais autonomia na criação de novos cursos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here